domingo, 31 de maio de 2009

Nem sei que nome dar a isto...

Acordar às duas da tarde, almoçar cerejas, sair da cama às cinco, e jantar caracóis com os amigos de sempre e com as princesas.
(Tive pena de não ir ao lançamento do livro do Rafeiro, mas eu estava mesmo a precisar disto.)

Contemplar

"Ai de quem me acordar amanhã antes do meio-dia!!"
É pena o meu sogro não ter ouvido, e às 10 da manhã sou arrancada do sono profundo pelo som histérico do telemóvel, com um convite para ir almoçar sardinhas assadas. Controlo a vontade de o descompôr, pelo respeito que lhe tenho e porque a culpa não é dele, é minha que devia ter posto o bicho em silêncio. Declino o convite com um agradecimento, e volto para a cama, mas já não consigo adormecer, e fico a olhar para ele enquanto dorme, como tantas vezes faço. Analiso cada bocadinho daquele rosto e reparo que está a perder a expressão de menino, o sono já não lhe suaviza completamente as feições, algumas rugas em volta dos olhos mostram o que ele esconde acordado, o que ele não diz mas eu sei. E fico assim a contemplá-lo até os meus olhos começarem a pesar, e caio novamente num limbo sem sonhos.

Amizade

Almoçamos em casa do C. e da C., a primeira almoçarada com sabor a Verão, vinho fresco e cerejas-que-sabem-a-cerejas. Gozo, muito gozo de quem não leva a vida demasiado a sério, como devia ser sempre (como eu devia ser sempre...) e histórias mais sérias que prefiro ouvir do que sentir na pele.
Jantamos em Peniche com a minha Joana., o P., o C. e a M., que nos acolhem com simpatia e simplicidade, sem nos conhecerem de lado nenhum. Mato saudades do colo onde me sinto segura só de olhar para ela e vê-la sorrir com os olhos bondosos. Das histórias da rainha contadas com orgulho e um carinho imenso. Das outras histórias de quem realmente se dá com gente muito estranha. Dos risos límpidos e sinceros, da conversa fácil e do abraço verdadeiro que aproxima a alma.

Se tivesse que escolher uma palavra para este dia sería amizade, já não são os meus amigos ou os dele, são os nossos, aqueles que nunca nos deixam sentir sozinhos, que foram entrando na nossa vida de mansinho e ocupando o seu merecido lugar.

sábado, 30 de maio de 2009

Brincar

Uns compram CB's e armas de airsoft.
Eu compro sandálias. Douradas.
Os meus brinquedos são mais baratos que os dele.
E mais bonitos também.

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Ossos do ofício (VIII)

Sorrir de ironia perante a visão daquele bando de engravatados na pseudo-passadeira vermelha. Assistir a uma palestra do Maestro Vitorino de Almeida sobre as semelhanças entre uma orquestra e o governo (depois de ter perdido, com muita pena minha, a intervenção do Dr. António Barreto, e de ter apanhado a meio a do Secretário de Estado do Orçamento).
Constatar a mais pura ironia de ver todos aqueles ilustres a falar da crise, minutos antes de ser servido um jantar de gala.


Conversas de circunstância à mesa, entre um copo de Tapada Ducal branco e uma garfada de folhado de perdiz ou um pedaço de fondant de chocolate.


Receber como presente a série completa "O planeta Terra como nunca antes viu", da BBC.
Por fim, ouvir a voz de Teresa Salgueiro a sobrepor-se a todo o burburinho, num mini espectáculo alegre e melodioso.

Teresa Salgueiro com Lusitânia Emsemble
"Por este rio acima"

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Conversas por sms (II)

- Os americanos são estranhos, rais os partam :(
- C%#$&%, f&%$#%$ a m%$#% dos comboios... e f%$#&% os americanos, bate-lhes com um pau...
(pelos visto o dia dele está a ser pior que o meu...).

Invejar...

... aquela rapariga que assomou à janela no momento em que eu estava a tirar a foto.
Porque vinha a espreguiçar-se, com ar de quem acabou de acordar...
Porque tenho a certeza que tinha uma vista deslumbrada sobre o rio...
Porque estava numa daquelas janelas de sacada antigas, num daqueles prédios que eu não me canso de olhar, que tornam a Lisboa antiga tão bonita e única...

quarta-feira, 27 de maio de 2009

O que eu tenho de ouvir (IV)

(Ao ver-me a enlaçar uma fita cor de rosa por cima da camisa preta)
- Vais-te oferecer?

domingo, 24 de maio de 2009

A gota de água

Pensava que não era possível sentir-me pior do que já estava. Depois li isto.
Vou fazer mousse de chocolate. E lombinhos no forno. E limpezas. Qualquer coisa. Para preencher o vazio.

Revolta

Guardo para mim a frustração porque verbalizá-la não me magoa só a mim, mas também a outros, que não têm culpa, que têm a razão suprema de se sentirem felizes e completos e quererem partilhar esse momento único que me é negado.
E eu, esqueceste-Te de mim? Só gostava de saber porquê.
Porque não eu?

Jewel
"Foolish Games"
(Accoustic)

sábado, 23 de maio de 2009

Pormenores (II)...

... ou Ainda Sintra...





Momentos (LXV)

Reencontrar os amigos que não via desde a passagem de ano.
Entrar no comboio turístico e subir até ao Palácio da Pena...

... imponente e magnífico sob a neblina .

Percorrer os corredores e espreitar todos os recantos...


... e imaginar aquelas salas cheias de damas e cavalheiros vestidos a rigor, as intrigas da corte (e "já viram a distância que o rei tinha de percorrer se queria ir dormir com a rainha? O número de quartos por que tinha de passar antes? Pois...")

Fui ficando para trás, atenta a todos os pormenores, com a sensação deslumbrada que havia ali tanta coisa para ver, tanto que eu não me lembrava, as pinturas em trompe d'oiel nas paredes, os brocados, os tectos trabalhados, um mundo de detalhes que me encheu os olhos.

E Sintra aninhada lá em baixo, com os seus prédios e palacetes coloridos...


... com as muralhas do seu Castelo...

...e becos estreitos onde apetece roubar um beijo...

... e o verde, aquele verde exuberante e intenso que inunda o chão e se estende de braços abertos para o céu, para receber as gotas de água que o alimentam.


Acabar o dia com caracóis e minis, conversa, muita conversa; Andrey Hepburn, chili vegetariano e Gotan Project, festas no diabo de olhos vermelhos que só quer é mimos, e uma caixa de cerejas só para mim.

Terminar em beleza...

... uma semana que começou mal.
Uma mala nova, um sundae de caramelo em um filme simplesmente bru-tal.
Não é preciso muito para me sentir feliz.

Hans Zimmer
"503"
Angels & Demons OST

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Momento (LXIV)

Irmos os dois almoçar a casa, e pararmos uns minutos para ouvir

Lenny Kravitz
"Believe"




(É das músicas mais sensuais que conheço...)

O que eu tenho de ouvir (III)

- Esta noite resmungaste durante o sono.
- Eu?! Mas o quê? Falei a dormir, foi?
- Não. Só resmungavas. Já não bastava durante o dia...

terça-feira, 19 de maio de 2009

Melhorar

Sopinha, tostas integrais com queijo e um Essencial de manga.
Estou a fazer progressos.

Private (VI)

Ontem o cheiro do cigarro dele incomodou-me. Foi a primeira vez na vida que tal me aconteceu.
Hoje passei a manhã com uma vontade quase incontrolável de chorar, a ponto de vir a casa à hora do almoço tomar um Valdispert.
Lembrei-me de ir confirmar datas. Deixei de o fazer quando finalmente me convenci que não vou conseguir engravidar naturalmente. Deixei de contar os dias. Mas continuo atenta a possíveis sintomas. Que nunca acontecem. Ou acontecem mas não têm nada a ver. A S. disse que nunca sentiu nada de diferente, só soube que estava grávida pelo atraso. Eu sempre acreditei que ía saber antes de fazer o teste, que ía sentir algo no meu corpo que nunca tinha sentido antes, e ía saber instintivamente. Mas posso estar redondamente iludida.
35. Um atraso de 5 dias. Não é normal, mas já aconteceu chegar aos 40, por isso não vale a pena pensar muito no caso.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Saturação (II)

Toda a gente tem dias maus no trabalho.
Mas ultimamente tenho tido demasiados. Miseráveis.

A original

RosaNegra
"Fado Ladino"

domingo, 17 de maio de 2009

Isto (também) não estava nos planos

Esquecer-me que as reservas têm de ser levantadas meia-hora antes do filme começar!

Isto não estava nos planos...

Sabia que o dia de ontem não ía ser fácil, por isso logo na 5ª feira fi-lo prometer que hoje íamos passar o dia em casa, de pijama.
Acordar às duas da tarde, ler e comer pizza às quatro. Estava tudo a correr como o previsto. Até que ele se lembrou de ver o trailer do Anjos e Demónios... e do Wolverine... que por acaso estão em exibição no shopping...
- Então e fazemos uma sessão dupla?
- Por todas as vezes que não vamos ao cinema.

sábado, 16 de maio de 2009

Apoiar

Não gosto de hospitais, apesar de agora já não terem o cheiro a éter que me causava náuseas aos 6 anos. E fazer a viagem de duas horas até ao IPO do Porto não é um programa ideal para um sábado.
Nunca estive internada, por isso não sei se as visitas seríam bem vindas ou cansativas. Mas acho que íría gostar da companhia, de não me sentir sozinha, de ver rostos familiares e de me sentir amada. Ninguém devia estar sozinho num hospital.
E foi por isso, acima de tudo, que fomos. Para ver com os nossos próprios olhos se estava bem (dentro do possível, claro). E para ela nos ver a nós. Para se sentir apoiada, para perceber que faz falta mesmo ao "filho" já homem de barba rija, para absorver de nós alguma da força e do ânimo que precisa para não desistir. Foi esta a mensagem que lhe quis passar "não desistas".

The Edge of Love

Gosto de filmes de época, dos cenários e do guarda-roupa; e da actriz Keira Knightley, mas quem me surpreendeu e prendeu ao ecran foi Sienna Miller, poderosa e expressiva num papel intenso, o limiar entre a euforia e o abismo.
Não é um filme fácil, o trailer não mostra a carga psicológica que encerra, as questões que ficam a pairar sobre a diferença entre o amor e as recordações do amor, a que resiste e o que o faz mudar ou perder-se nos anos, numa visão muito pouco romantizada, mas mais genuína. Acima de tudo é um filme sobre a relação de amizade entre duas mulheres, a tal que tanta gente diz que não é possível, porque as mulheres são umas cabras entre elas.
(E nunca tinha visto tanta gente a fumar num mesmo filme).

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Momento (LXIII)

Deito-me nos lençóis de linho fresco e busco instintivamente o calor da pele dele, procuro-lhe os braços para me aninhar, e a cara para pousar a minha testa, e é assim que adormecemos, abraçados, todas as noites. Sempre foi assim, excepção feita para algumas noites de Verão de calor insuportável, e mesmo nessas não prescindíamos de dar as mãos ou encostar os pés, qualquer coisa que nos fizesse sentir a presença do outro.
Mas esta semana está mais aguda, esta necessidade de protecção, de pertença, de sei lá o quê que nos faz despertar a meio da noite para aproximar, para aconchegar, para garantir que ainda ali estamos os dois, juntos, como sempre, para podermos cair novamente num sono profundo, sabendo que o nosso mundo não mudou.

quinta-feira, 14 de maio de 2009

Obrigado

Não foi um sucesso completo, mas tiraram tudo o que era possível. O resto vai ser tratado com "bomba atómica", com a força dela e o carinho da família.
O mais importante é que a Flor está viva.
E isso hoje chega-me.

Finger Eleven
"Change the world"

Oração

Tu sabes que eu costumo pedir saúde e paz para a nossa família, para aqueles que amo, porque o bem-estar deles é a minha felicidade.
Mas hoje peço-te que pegues nela ao colo, e que lhe dês força para aguentar as 8 horas de operação, e as muitas horas de tratamento que são precisas a seguir. Para ela ficar bem, mais uma vez.
Já venceu uma batalha. Não a deixes perder a guerra.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Só porque gostei

Eu até já tinha respondido a esta questão, mas sou invejosa e fui roubar o selo.
É giro (com erro ortográfico e tudo).

domingo, 10 de maio de 2009

Na terra da avó... (III)

- Ele hoje está triste.
- As pessoas não podem andar sempre contentes...
- Mas eu não gosto de o ver assim.
- Nem eu, vó...

Não sei se foi das poucas horas de sono, do cansaço acumulado, da preocupação com a Flor ou de terem insistido para ele pegar na minúscula E., mês e meio de gente de olhos curiosos. Hoje nem as rosas lhe arrancaram um sorriso.

Fazer mato (IV)

Nocturna improvisada. 5 jipes. Sair do alcatrão às 00.03 hrs. A chuva não foi suficiente, faltou lama. Depois d'A Taverna já só éramos 3. Mas o caminho mais interessante. Excepto para a Paula, com sono e mais habituada a TT de pesados. Nós falamos de 190 ou 200 cv., ela fala de 700. Pão com chouriço às 3 da manhã. E gozar com o pessoal do chunning.
Como em quase tudo, mais do que os lugares ou as circunstâncias, o que faz valer a pena é a companhia.

Conselho de amigo

"Aumenta o som do rádio... para não ouvires as balsas a riscar-te a pintura toda."

sábado, 9 de maio de 2009

Conversas no carro (V)

- Ao jantar não nos podemos embebedar.
- Porque?
- Porque às dez e meia vamos ter com o C. (com um sorriso de puto que sabe que vai aos carróceis).
- Fazer o quê? (como se eu não soubesse...)
- Mato... só um bocadinho...
(E começou a chover. Que conveniente...)

Está mal!!! (II)

Anda uma pessoa a semana inteira nas voltinhas, com o seu DJ todo estimadinho (que até passou na inspecção à primeira - e o meu decote não teve nada a ver com isso, e que até tem um auto-rádio que vale mais do que ele), para ELE bater com o carro numa simples ida ao supermercado!
"Não stresses, foi só o farol".
(Mas toda a gente vai pensar que fui eu , claro! Ah, e tal, as mulheres são umas azelhas a conduzir... Pois!)

Agitação

Sábado:
- Compras enquanto ele vai fazer uma frequência.
- Café com a Paula e as princesas
- Visita à Flor
- Jantar no Motoclube

Domingo:
- Almoço na casa do sogro
- Visita à Avó

(não há paz nesta casa...)

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Momento (LXII)

A minha peça de mobília voltou. Matamos saudades. Comemos os primeiros caracóis do ano na taberna mais genuína que conheço. Com minis, claro (duas delas oferta dos senhores que estiveram 2 horas ao balcão). Ela conta-me as novidades. Rimos das coisas que só fazem sentido entre nós.
Vamos juntas ver as princesas. São lindas mesmo a dormir. E aquele sono inocente devolve-me a serenidade e a paz.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Adoro... *

O sorriso do meu pai.
O cheiro da minha princesa pequenina.
A voz da minha mãe.
As piadas dos meus irmãos.
Ele (todo, incluindo os defeitos).
A paz da nossa casa.
Manhãs de ronha entre os lençóis.
Tardes de sol e caracóis.
O som do mar.
Os sms's que recebo de um anjo.
Abraços sinceros.

* ou O que me preenche o coração...

Momento (LVVIII)

Conheço-lhe todos os cantos mas nunca a tinha fotografado. A estação que foi o meu porto de chegada e de partida, todos os fins de semana, durante mais de 4 anos. Quando ainda não pensava que podia ser o meu destino, quando a única razão que tinha para fazer a viagem era o amor que esperava ali perto.
Não têm conta as horas perdidas, sentada nos bancos de madeira desconfortáveis, ao frio ou ao calor, no tempo em que um comboio chegar a horas até parecia mal, e conseguir um lugar sentada era razão para jogar no totoloto.
Aqui já me aconteceu um pouco de tudo, desde pôr 3 funcionários em polvorosa, a ponto de fecharem o guichet só para me atenderem; a sair de um Intercidades (que nem sequer era suposto parar ali) pela cabide do maquinista.
Agora os comboios chegam a horas, os lugares são marcados e a música substituiu o poético som do deslizar nos carris. Mas continua a ter a sua magia, um ponto de intercepção e cruzamento, de linhas, de destinos, de vidas.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Inspiração (III)

Creme de espargos, bacalhau com natas e omolete de atum e delícias do mar com arroz de legumes.
Para esquecer o dia de trabalho miserável. Para esquecer a dor no peito com que acordei. E a voz dele que me veio logo à memória "não devias comer tanto queijo, faz mal ao colesterol". Se calhar tem razão. Se calhar devia ter um pouco mais de cuidado.
(Se calhar vou tomar outra aspirina...)

terça-feira, 5 de maio de 2009

Colorir...

... os dias...



"Há tanta coisa no meu destino que eu não posso controlar, mas há outras que estão sob a minha alçada. (…) Posso escolher a forma como vou reagir às circunstâncias menos felizes da minha vida (...) (e nas ocasiões em que não consigo adoptar o ponto de vista mais optimista, porque sinto demasiada pena de mim mesma, posso optar por mudar a minha aparência). ”

In: Comer, Orar, Amar

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Desvendar (mais um pouco)...

... que isto só custa ao início.

1. Qual a música que te dá vontade de fazer amor como se não houvesse amanhã?
Qualquer uma sussurrada ao ouvido em "voz de cama" (este começa bem...).
2. Qual a música que te dá vontade de meteres prego a fundo quando conduzes?
Manowar, Metallica ou Korn em décibeis proibitivos.
3. A tua primeira vez foi boa, assim-assim, ou mázinha?
Não foi lá grande coisa, realmente. Estava há espera de sentir um frio no estômago, o batimento cardíaco acelerado, a excitação da subida, mas não... (estamos a falar de andar de avião, certo?)
4. Para onde é que olhas logo quando conheces alguém?
Para os olhos.
5. O que é que ele/ela tem que fazer para que lhe saltes automaticamente para a espinha? Isto não ficou muito bonito, para que lhe caias nos braços, fica melhor.
Pôr-se a jeito.
6. Qual a coisa mais romântica que já te fizeram?
O jantar (é tão raro que até acho romântico...)
7. Qual foi a coisa mais idiota que já fizeste sob o efeito do alcool?
Adormecer estendida no acesso à garagem da casa do meu (nessa altura quase) sogro, com o Bobby a lamber-me a cara.
8. O que é que é "música para os teus ouvidos"?
A voz daqueles que amo.
9. Já alguma vez foste o(a) verdadeiro(a) sacana para alguém? Já despedaçaste algum coração em mil pedaços?
Se fui, foi sem querer.
10. Deixas o carro chegar ao fim da reserva, ou vais logo abastecer assim que entra na dita cuja?
Eu deixo a dita cuja andar livre e feliz quase até ao limite (um dia destes bem me lixo...).
11. Vais sempre pelo mesmo caminho, ou já alguma vez tomaste o caminho mais longo para casa?
Já fui pelo caminho mais longo, quando a estrada estava cortada para obras.
12. Qual o maior balde de água fria que já levaste na tua vida?
Quando descobri que o coelhinho da Páscoa não põe ovos.
13. O que é que te tira os pés do chão?
O elevador.

Desvendar...

... um pouco mais sobre mim. Só porque ela desafiou...

1. Nome?
Rosa, Rosinha, Rosita, Nina (este é exclusivo do meu irmão).
2. Porque lhe deram esse nome?
É o nome de um bar de salsa que aparece num filme.
3. Você faz pedidos às estrelas?
Fazer até faço, mas eu acho que, assim como os anjos não têm sexo, as estrelas não têm ouvidos...
4. Quando foi a última vez que chorou?
No sábado a (re)ver o Armageddon (eu choro com cada coisa...).
5. Gosta da sua letra?
Não, se o blog tivesse que ser escrito à mão, nem tinha começado.
6. Gosta de pão com o quê?
Neste momento, com queijo de nozes e marmelada.
7. Quantos filhos tem?
Nenhum (e o meu humor não é suficiente para fazer piadas neste item).
8. Se fosse outra pessoa seria seu amigo?
Claro que sim, sou uma excelente ouvinte e tenho uma paciência de santa (cof, cof).
9. Saltaria de bungee-jump?
Era gaja para isso.
10. Desamarra os sapatos antes de tirá-los?
Se não os desatar, não consigo tirá-los.
11. Acreditas que és uma pessoa forte?
Tem dias...
12. Gelado favorito?
Qualquer um da Häagen Dazs.
13. Vermelho ou preto?
Ambos.
14. O que menos gostas em ti?
Os ataques de insegurança.
15. O que mais gostas em ti?
Os meus olhos.
16. De quem sentes saudades?
Das minhas princesas, quando estou muito tempo (mais de uma semana) sem vê-las. E da "nossa" Paula.
17. Descreva que roupa e calçado está a usar agora.
Calças de ganga, camisolinha de malha branca, de mangas a 3/4, e chinelos felpudos cor de laranja.
18. Qual foi a última coisa que comeu hoje?
Um bombom de mousse de chocolate, da Lindt (e por falar nisso, vou buscar mais um...).
19. O que está a ouvir agora?
Ele a violentar o teclado, a jogar Guitar Hero.
20. A última pessoa com quem falou ao telefone?
Um cliente que quer cotações para Israel, Uruguai e Dubai.
21. Bebida favorita?
Água.
22. Comida?
Cozido à Portuguesa.
23. Último filme que viu no cinema e com quem?
Não me lembro (é triste, eu sei...).
24. Dia favorito do ano?
Qualquer um em que não tenha de ir trabalhar.
25. Inverno ou Verão?
Verão, sol, calor e dias compridos.
26. Beijos ou abraços?
Abraços, sem dúvida.
27. Qual a tua sobremesa favorita?
Mousse de chocolate com natas.
28. Que livro está a ler?
Uma Sonata de Amor, de Santa Montefiore (fraquito).
29. O que tem na parede do seu quarto?
Um quadro enorme com o Momento da Criação de Miguel Ângelo (isto não é plágio, é mesmo verdade).
30. Filmes favoritos?
Todos os que me emocionam
31. Onde foi o lugar mais longe que já foi?
Cabo Verde
32. Uma música?
"May it be" na voz de Lisa Kelly
33. Uma frase?
"Carpe Diem"

Arriscar

Não suportei a espera. Não deixei acabar o tempo. Hoje telefonei. Arrisquei a minha sorte (às vezes também tenho sorte...). Os resultados das novas análises dele estão prontos. O processo vai ser novamente avaliado. Agora é esperar pela decisão. Mais um mês. Esperar.

domingo, 3 de maio de 2009

Dia da Mãe

E dia da minha mãe. A felicidade de festejar mais um aniversário dela. A alegria de ver o meu pai bem-disposto e sorridente. A família toda reunida à mesa. A avó que eu fiz questão que fosse connosco, porque avó é mãe duas vezes (no caso dela, quatro vezes). O puto mais novo a anunciar que já casou pelo civil, quando eu ainda nem conheço a rapariga (e pelos vistos ele também só a conhece há 3 ou 4 meses). O puto do meio a contar-me que já não vê a namorada há uns dias e entretanto saiu com a ex (ás vezes é preciso perder alguém para saber a falta que nos faz).
Dia de revelações, de sol e de flores. De luz e de calor bom, como eu gosto. Que quase me faz esquecer tudo o resto. O que evito pensar entre as conversas e os silêncios. O que faço para não sonhar acordada. O que vou tentando que não me magoe. O espinho sempre cravado na pele.
De regresso a casa, tarte de carne picada com legumes, lulas com tomate, e gelatinas, para aliviar a dor. Para afastar da mente o dia que não é meu, o dia da mãe que não sou.

sábado, 2 de maio de 2009

Ouvir e sentir (LVI)

Chantal Kreviazuk
"Leaving On A Jet Plane"
Armaggedon OST

Espírito de contradição (II)

Com tantos filmes novos para ver, hoje deu-me para isto...

Trevor Rabin
"Launch"
Armageddon OST

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Ironia

"Acabei de cumprimentar o assessor de imprensa do Prim.eiro-Minis.tro"
(com esta t-shirt vestida)!