terça-feira, 30 de junho de 2009

Distrair *




* ou Estou a precisar de férias...

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Abraçar

O meu puto mais velho faz anos hoje. 30. Liguei-lhe de manhã e acordei-o. Liguei-lhe agora e falámos de coisas triviais. Desejei-lhe um dia feliz mas não disse que o adoro. Disse baboseiras mas não o mais importante: que rezo todos os dias para que seja feliz. Não lhe disse que o sorriso dele me ilumina o coração, e que as (raras) vezes em que se lembra de me ligar só porque lhe apeteceu, a voz dele torna o meu dia mais alegre.
Não lhe disse nada disso porque sei que me ía chamar lamechas, naquela cultura do "homem quer-se feio, porco e mau". Logo ele, que é tão giro (e não é por ser meu irmão), faz abdominais e bicicleta todos os dias, logo ele que não larga o desodorizante e o gel, logo ele que é um coração mole debaixo daquela carapaça de "quantos são? dou cabo deles todos!".
E hoje, como de cada vez que o vejo, só me apetece lançar-me ao pescoço dele e abraçá-lo com força, e dizer-lhe que me orgulho do homem em que se tornou, porque faz o que gosta e isso tem mais valor que um canudo, porque se rege por princípios de honra e lealdade, e isso tem mais valor do que o carro que conduz, e porque me chama Nina e isso tem mais valor do que todas as palavras que não diz mas sei que sente.

domingo, 28 de junho de 2009

Ouvir e sentir (LX)

Linkin Park
"New Divide"

Transformers: Revenge of the Fallen OST


Momentos (LXXII)

Vamos ver a avó, mesmo debaixo de uma chuvada torrencial, e o apelo da lama é mais forte, pouso o livro quando saímos do alcatrão e as rodas começam a lançar nuvens de água à volta, enquanto passamos pelo Vale de Água e pela ribeira.

A avó está à nossa espera, como sempre, na pequena casa cheia de relíquias...

... e onde o verde impera em cada canto.

Momento (LXXI)

Acordo com o tamborilar da chuva na janela, lembro-me que é domingo, que posso ficar ali a passar os dedos na fronha da almofada, viro-me para o outro lado e volto a adormecer.
Acordo à uma da tarde, já parou de chover, fico ali uns momentos a ouvir a casa em silêncio, antes de me levantar para ir à procura do sorriso dele.

Momentos (LXX)

Nina Simone e vinho rosé.
Sardinhas assadas, gaitas de foles e jambés.
E o sorriso sem lógica, ao olhar para aquele grupo à distância de um cigarro no muro, só por vê-los ali, alegria e descontracção numa noite fresca de verão.

sábado, 27 de junho de 2009

Conversa de doidos

Carlos diz:

olha la

o V. esta aqui vou convida-lo

Ele diz:

claro

eu tava para lhe ligar mais daqui a pouco

mas se tas aí fala com ele

diz q n é nenhuma festa..

Carlos diz:

men dix que blablabla 1 euro por sardinha blabla ja esta com ideias de merda

men vou bater neste gajo

Ele diz:

as sardinhas sao de borla.. men men men...

men

so pagas o q bebes

a menos q comas outra merda qq

Carlos diz:

men men men este gajo vai levar

lol o V. nao entende o que e uma sardinhada

Ele diz:

fooooda-se.. dá-lhe já.

jáááááá

Carlos diz:

caralho que parvo

pesca blablabla caralho vou-lhe dar

Ele diz:

liga à C...

trazemos a C..

Carlos diz:

msn no telefone e fixe

men ve la se fico ofline

Ele diz:

ok

ainda tas on

Carlos diz:

fiquei?

Ele diz:

tas on ainda

men

Carlos diz:

menmenmen

Ele diz:

vou almoçar

falamos mais logo

Carlos diz:

manda texto

Ele diz:

tras esse gajo por uma orelha

fooooda-se

Carlos diz:

para testar aqui uma cooisa

Ele diz:

texto como

Carlos diz:

men

Ele diz:

assim

o3ije3209reu3209rfu3029rfv 45g5bv2

542ygt52409ytv5094yb094 m54mu9048um2985u4't943u2t29843um9v8cu4r98tm43r8tu43'9rmu3umr43'98r

43t9v8348209tnu452098nyt204539ynt302487yt03724yt45708ytb54tny5048y5048ytbyt548ybt54t

men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men... men...

pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca.. pesca..

Carlos diz:

pronto ja vi

Ele diz:

:)

Carlos diz:

ate mais logfo

Ele diz:

vou almoçar

abraço

Carlos diz:

nao fiquei off nem nada?

Ele diz:

nao

sempre on

Carlos diz:

okapa

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Recordar

Michael Jackson
"Will you be there"



(Faleceu hoje, com 50 anos.

"O trono está vazio. O rei morreu", tal como foi dito na rádio.
A sua música ficará para sempre.)

Momento (LXIX)

Passo uma hora no meio de livros como uma criança passa uma hora numa loja de brinquedos: olho para todo o lado, mexo em cada um , folheio, vejo as cores da capa, sinto o cheiro do papel...
Quando não vou à procura de algo específico, quando não sei bem o que quero, escolho-os pelo título e pela capa, gosto de livros com capas bonitas e coloridas, eu sei que isso às vezes não quer dizer nada, que pode ser a maior desilusão, mas os meus dedos passam pela capa e sentem os relevos, os meus olhos fixam-se nas cores vibrantes ou num desenho singular, e eu levo-os só porque sim, porque são belos mesmo sem saber se serão bons.
E hoje trouxe três assim.

terça-feira, 23 de junho de 2009

Resignar-me

O meu corpo parece o c#$%# de um relógio suíço.
Pontual e previsível. Dolorosamente previsível.

Emiliana Torrini
"The Boy Who Giggled So Sweet"

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Admirar *




* ou A &%#$ da máquina é mesmo boa...

Considerar

Quando, mesmo sem ter nada na pele e o lençol a 2 metros de distância, o calor não deixa adormecer, é altura de considerar seriamente a hipótese de ir dormir para a banheira.

domingo, 21 de junho de 2009

O melhor do fim de semana (III)

Volto a levantar-me mais cedo do que para ir trabalhar. O estômago às voltas e os olhos a pesar toneladas (elas não matam mas moem...).
Tento esboçar qualquer coisa parecida com uma conversa de gente normal durante o pequeno-almoço, só para o V. e a R. não ficarem (já) a pensar que eu sou um demónio.
Quando nos reunimos na margem, junto ao barco do C. (ai como ele está!...) somos sete, a maioria com um qualquer grau de ressaca que não estava nos planos de ontem.
O resto da manhã foi passada dentro de água, entre camadas consecutivas de protector solar, wakeboard (para quem sabe...

... e para quem acabou de aprender),


e banhos de água estupidamente boa.

Atracamos no Trízio para almoçar, na esplanada com sabor a verão, e dormimos a sesta na relva debaixo das pinheiras, enquanto eles estudam, portáteis na mesa do canto, trabalho para entregar amanhã, juntar o útil ao agradável, e há tempo para tudo.

Ainda olhamos desconfiadas para a copa das árvores, à espera que nos caia uma pinha em cima, mas o que nos fez acordar sobressaltadas foi o som dos asperssores de rega, e antes de o rapaz passar a correr para ir desligá-los, já nós tínhamos levado uma molha.


Resto da tarde passada na água, mais velocidade, mais adrenalina; aulas de wakeboard e apostas ganhas, pele quente (mas não escaldada), camisa do hulla hulla e hamburgueres.


E a frase do fim de semana foi “Ohohoh, isto é um sítio de respeito!!”

O melhor do fim de semana (II)

Foi tudo. Sábado de sofá, casa na penumbra para enganar o calor, cerejas e pêssegos.

Festas da cidade. Muito riso. Metros de cerveja enquanto esperamos pela mesa que estava controlada (só não se percebeu bem por quem...).


Falar de tudo e de nada (amanhã ninguém se lembra...). Mais riso a sobrepor-se à voz de Rita Guerra. Mais cerveja.


Alguém sugere o “21”, o melhor abafado da região num cenário quase a roçar o sórdido, de tão estranho.

Estragou-se o resto. Mais risos pelos que vão casar para a semana (foi preciso saírem connosco para ele a ver bêbeda!).


Acabamos numa esplanada perto do parque. Tenho vontade de atravessar a pequena ponte por cima do canal, e percorrer a relva, descalça. Ou sentar-me no banco da praça deserta, só porque sim.

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Ouvir e sentir (LIX)

Porque "a minha cidade és tu".

Air Traffic

"No More Running Away"

Cumprir

Eu prometi que voltava, não prometi?


(imagem tirada daqui)

quinta-feira, 18 de junho de 2009

quarta-feira, 17 de junho de 2009

Experimentar (III) *

* ou "Tu não m'atentes!!!"

Experimentar (II) *

* ou "Não te ponhas com ideias".

Experimentar *


* ou "Não, nós não vamos comprar uma máquina de 300€ com uma lente de 200€!"

terça-feira, 16 de junho de 2009

Rir

A última hora foi passada no comboio a tentar controlar o riso para não fazer figuras tristes.
E a culpa é do Rafeiro!

domingo, 14 de junho de 2009

Comemorar

Mais um aniversário do meu sogro, comemorado na mesa do alpendre, ao lado de um mar de flores, das vinhas cheias de cachos ainda verdes e do pessegueiro carregado de frutos maduros.

Almoço de javali, o pai a prometer ao filho as galhetas que lhe devia ter dado quando ele era pequeno, eu a pedir ao pai um subsídio mensal pelos anos que lhe aturo o filho.
À tarde travo uma batalha interior para decidir se os acompanho à terra da avó, ou se fico a dormir a sesta. Os meus olhos pesam chumbo, mas não cedo, e levamos a pequena E. muito aconchegada no ovo dela.
No regresso espera-nos uma panela cheia de caracóis, e eu aceno com a cabeça quando me perguntam se são melhores do que os de ontem (é a chamada mentira piedosa).
Neste dia dedicado à família, custou-me ouvir alguém chamar ao meu sogro "avô Z.", porque o único filho que ele tem está sentado ao meu lado, a ouvir as mesmas palavras. Mas voltei a sentir o calor de quase 5 kilos de gente no meu peito, o cheiro a bebé e a força daqueles dedos minúsculos quando me puxa fios de cabelo.

Cheirinho a férias

De manhã saio de casa para comprar desentupidor de canos e volto com (mais) uns sapatos.

A tarde é passada na Barragem de Castelo do Bode, a bordo de uma "jangada", a perspectiva inverte-se, desta vez vejo as crianças a chapinhar nas margens, os recantos que só se alcançam de barco e as casas de férias nas encostas, sento-me confortável e em poucos minutos consigo abstrair-me de todos os pensamentos, mente vazia, vento nos cabelos, salpicos de água na pele.

Paramos no Trízio o tempo suficiente para montar duas tendas. Gostei do espaço envolvente e da esplanada do Clube Náutico, cheia de pessoal com ar descontraído, calções e chinelos, tudo à nossa volta a clamar por férias e gelados, bebidas frescas e dias sem horários.


Voltamos à esplanada depois dos melhores caracóis do mundo e arredores, e acabamos a noite ao som de Zeca Afonso e fados de Coimbra.

sábado, 13 de junho de 2009

"Há grandes vidas, senhores!!"




Nova paixão (IV)

Já desisti da ideia de casar há muito tempo. É claro que sonhei com um pedido de casamento sentido, é claro que sonhei com um vestido de noiva e uma celebração do nosso amor que nos enchesse de alegria. No início não tínhamos dinheiro para isso. Agora deixou de fazer sentido.
Minto. Agora tenho a crença profunda que "em equipa que ganha não se mexe". Nem sequer me apetece arriscar, como se isso fosse pedir de mais e pudesse alterar o equilíbrio do nosso mundo.
Mas continuo a gostar de ver vestidos de noiva, e apaixonei-me perdidamente pelas fotos deste blog.

Ouvir e sentir (LVIII)

A Fine Frenzy
"You Picked Me" (live)

sexta-feira, 12 de junho de 2009

O que eu tenho de ouvir (V)

- Ainda não disseste nada sobre a minha franja.
- Ía dizer que foste ao cabeleireiro para ele te deixar mais despenteada. E ainda pagaste para ele fazer isso!

quinta-feira, 11 de junho de 2009

Momentos (LXVIII)

Passar a manhã a ler na cama, enquanto ele brinca às guerras.
Passar a tarde a ler no sofá, enquanto ele brinca ao vamos-ver-quem-é-que-consegue-beber-mais-minis-sem-cair-para-o-lado.
Ir ao cinema (apesar de o EI4 deixar muito a desejar).
Histórias-que-ficam numa esplanada sobre o rio. Os últimos a sair quando os empregados começam a arrumar as mesas.
Sorrir com a birra de sono do meu puto grande.
Recusar com pena o convite para continuar a noite "mas eu tenho tão pouco tempo para estar com ele".
- Mas olha que hoje vou mesmo dormir!
(não faz mal, eu - também - gosto de te ver a dormir...)

terça-feira, 9 de junho de 2009

Smokie

No "solário" não se fuma, mas ouve-se Vaya con Dios...

"Just a friend of mine" (1986)

segunda-feira, 8 de junho de 2009

O destino...

... somos nós que o fazemos, com as nossas escolhas, com os sonhos que perseguimos, com a forma como lutamos por aquilo que queremos e em que acreditamos.

Pussycat Dolls
"Jai Ho"
Slumdog Millionaire OST

Conversas ao deitar (II)

- Amanhã leva uma pen com as fotos para o C. e o V. escolherem. Tenho aqui fotos dos jipes deles e do teu...
- Do teu não, do nosso! Ou agora, só porque tem a tromba f%$#%& já não o queres?
(e eu deito-me com uma gargalhada).

domingo, 7 de junho de 2009

Fazer mato (VI)

De regresso a casa, voltamos a fazer as dunas e fico rendida: ao companheirismo, às conversas pelo CB (davam para fazer outro blog), à adrenalina e ao que não se vê na estrada.
E à frase do fim-de-semana "Estou-me a encher de nervos!"
(o "men, men, men" não conta porque não é frase).

E esta ficou para outra oportunidade
( e outros pneus... ou outro jipe...).


Pormenores (III)...

... ou a Nazaré que eu vi...