sábado, 30 de junho de 2012

Ter vocação

Quase todos os meninos passam por uma fase em que querem ser bombeiros quando forem grandes. Mas depois passa-lhes. Ninguém escolhe a profissão de bombeiro pelo dinheiro ou prestígio de uma grande carreira. Pode até ser pela adrenalina ou pela possibilidade de conduzir ambulâncias em excesso de velocidade e por sentidos proibidos e sinais vermelhos. Mas ser bombeiro não é isso (ou não é só isso). É carregar com velhotas de mais de cem kilos pelas escadas até um quarto andar. Ver um menino de três anos morrer-lhe nos braços depois de cair de uma varanda. Ou ter de fazer um parto de emergência. E para isso é preciso muito mais do que a vontade que os jovens de dezassete anos têm quando se inscrevem como voluntários.
O meu puto mais novo é bombeiro. De profissão. De vocação. Faz o que adora. Aprende tudo o que pode, numa ânsia constante de ser melhor. Hoje foi a cerimónia em que subiu a bombeiro de 1ª. E recebeu uma medalha por dez anos de serviço. Hoje foi um dia de orgulho imenso para ele e para nós, a família toda reunida para partilhar um momento tão importante para ele (terías sido tu a colocar-lhe as divisas nos ombros. O N. substituiu-te como padrinho. Viste como ele estava feliz por estarmos todos presentes?)


Momentos (CLXXXV)

Celebrar o aniversário do N. com um almoço de família e um bolo que era a cara dele,


matar saudades dos meus pequenos, e deliciar-me com a doçura da L., com as (muitas) palavras que já diz, com os mimos que dá ao irmão, com os seus caracóis cada vez mais compridos e os olhos cada vez mais expressivos,



e tirar a primeira fotografia a três...


sexta-feira, 29 de junho de 2012

Um coração gigante

Pedro. O nosso filho vai chamar-se Pedro. Por causa do dia de hoje. Dia de São Pedro. Dia em que nasceu o meu irmão. O "padrinho", mesmo que cheguemos à conclusão que não queremos baptizá-lo. Sempre soube que o N. sería o padrinho do meu primeiro filho, sem hipótese de considerar sequer outra pessoa. A adoração que lhe tenho é de sempre, a admiração tem crescido ao longo dos anos em que o vi crescer e transformar-se no homem que é hoje. Mas nenhuma transformação foi tão rápida ou drástica como vê-lo tornar-se pai. O meu irmão não pegava num bebé ao colo. Ou então ficava teso e nem se mexia de tão desconfortável. Agora passa noites a tomar conta da filha quando a C. faz turnos. Diz-me pelo telefone, cheio de ternura, depois de um dia de trabalho "vou para casa dar a papa à minha Shreka e deitá-la". Acompanha os TPC's do meu sobrinho, incute-lhe regras, educa-o, e também rebola com ele no chão em sessões de wrestling.
Há coisa de duas ou três semanas, telefonou-me num sábado à tarde a perguntar se eu estava em casa "então já aí passamos". Pensei que viesse com a família toda, mas entrou-me pela porta seguido só do meu puto mais novo. Eu sabia que o L. estava a passar uma má fase conjugal, a gravidez da S. não estava a ser nada fácil, com uma série de complicações, incluindo ameaça de aborto, e tudo junto estava a afectá-los psicologicamente e enquanto casal. E o meu irmão, com o seu coração gigante, só disse ao mais novo "estás a precisar de ir falar com o pai". E assim foi buscá-lo aos Bombeiros depois de um turno nocturno, levou-o à Serra e deixou-o sozinho na campa (desta vez não teve de saltar o muro do cemitério), para que ele pudesse desabafar tudo e encontrar ali um alívio que mais ninguém lhe podia dar. Ao vê-los ali à minha frente, o L. com os olhos inchados e vermelhos da directa que tinha em cima e do choro que o acalmou, e o N. cansado das várias horas a conduzir, mas com um sentimento de dever cumprido, senti um imenso orgulho. Porque fazer o que o N. fez naquele dia requer generosidade. Sensibilidade. Empatia. Preocupação com o próximo. Coração.
O meu irmão é assim. Hoje faz 33 anos. E acho que não sabe nem sonha o quanto o adoro, o admiro, me orgulho dele.

(Fiquei muito mais descansada...) II

- Acho que tenho a barriga mais descaída. Não achas?
(Depois de olhar para mim com ar de "mais vale dizer-te que sim de qualquer forma..." e ainda lançar uma explicação mais do que lógica sobre o puto poder estar mais enrolado só porque lhe apetece e também tem direito...)
- Mas não te preocupes que ele não cai...

terça-feira, 26 de junho de 2012

Pensamento recorrente

Desde que o balão insuflado que trago aqui pendurado à frente me impede de ver as unhas dos pés, só consigo pensar naqueles homens que têm uma pança enorme, e como deve ser triste olharem para baixo e não conseguirem ver o que têm no meio das pernas...
(Não é um pensamento muito digno, é verdade, mas dá-me pena, coitados...)

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Dar ideias

Depois de ver umas fotos deste género que lhe enviei por email:

"Tas mesmo para explodir ainda tens de usar uma mochila com uns pesos para fazer contra-peso"

(A minha Paula é que sabe...)

quarta-feira, 20 de junho de 2012

terça-feira, 19 de junho de 2012

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Tenho de jogar no Euromilhões...

Ontem, assim do nada e só porque estávamos a falar do que tínhamos de fazer no fim de semana, ele sai-se com um "não te esqueças que no domingo temos um baptizado".
F&$%#", f&$%#", f&$%"#, nunca mais me tinha lembrado disso!! Ainda nem sequer comprámos uma prenda para o puto!! E pior ainda, o verdadeiro drama - O QUE É QUE EU VISTO?!?!
Toca de sacar do armário todos os vestidos minimamente apresentáveis para entrar numa igreja, e experimentá-los um a um. Não sabia se havia de rir ou de chorar. Aquilo cabia tudo nas ancas, nos ombros, mas quando chegava à curva da barriga... não passava nada...

Hoje, em desespero de causa já estava a planear ligar à A. e pedir-lhe um trapinho qualquer para desenrascar, de certeza que teve de ir a algum casamento durante as três gravidezes, e ela tem bom gosto e muito estilo, qualquer coisa que me empreste é melhor do que parecer um barril com pernas apertado em tecido rendado...
No escritório comentei com a R. o meu problema, e a resposta foi música inesperada para os meus ouvidos: "olha, tenho ali no carro um vestido que usei num casamento quando estava grávida de 8 meses e meio, ía mandar apertá-lo hoje...".

É de cetim preto, simples e acenta-me como uma luva.
(A minha mãe sempre disse que nasci com o cú virado para a lua...).

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Eu e as multidões...

"Estes sim, são adeptos a sério. Mesmo depois da sua selecção estar a perder por 4-0 e o jogo estar quase no fim, eles não deixam de incentivar os seus jogadores e cantam em plenos pulmões durante os últimos 6 minutos e até todos os jogadores da sua selecção terem saído do relvado para os balneários. Foi arrepiante ouvi-los durante o jogo e continua a ser arrepiante quando estou a ver o vídeo que deixo de seguida. Todos os adeptos da selecção da República da Irlanda que estiveram hoje no estádio a puxar pela sua selecção merecem o meu enorme respeito."

 (Não podia estar mais de acordo).

"Fields of Athenry"
Final do jogo Irlanda vs Espanha
(Euro 2012)


segunda-feira, 11 de junho de 2012

(Fiquei muito mais descansada...)


- Uma das aulas vai ser para casais, e a essa gostava que fosses.
- É para aprender o quê? A mudar fraldas? Com nenucos?
- Não, é para aprender o que podes fazer para me ajudar na altura do parto.
- Ah, mas isso eu já sei, levo um bocado de madeira e meto-to na boca para morderes, e depois gritas à vontade...

domingo, 10 de junho de 2012

Valeu a pena agrafar um dedo...

A porta do armário do meu sogro ficou linda, a caixa forrada também (desde que ninguém olhe para o interior cheio de agrafos...), os sapatos já estão todos arrumados, só faltam as botas (ainda tenho de me encher de  paciência para forrar a outra caixa), Peter Pan já tem banheira e colchão para a cama de grades, a roupa dele está toda lavada, passada a ferro e arrumada no armário, os peluches já estão lavados e troquei-lhes as fitas vermelhas por laços azuis, a mala para a maternidade já está pronta e o kit de criopreservação de células estaminais já chegou.



A minha necessidade obsessiva de controlo está - quase - satisfeita...
(O carro com o ovo, falta o carro com o ovo...)

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Insuflar

Não, não é uma almofada...


É mesmo a minha barriga...

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Rever os clássicos (II)

Carlos Santana & Everlast
"Put Your Lights On"



terça-feira, 5 de junho de 2012

Não resisti...




Rever os clássicos

A única vantagem de estar sozinha, esta semana, no escritório (já não lhe posso chamar "solário", já tenho uma janela de onde vejo  todos os dias o pôr do sol sobre os campos cultivados da quinta que abarca o meu horizonte) é que posso ouvir a música que me apetece.

Buena Vista Social Club
"Chan Chan"


sábado, 2 de junho de 2012

Ver o futuro

Pinturas para bebés, esparguete azul e cor de rosa, e (uma espécie de ) plasticinas, tudo comestível, tudo propício para a animação e mais completa javardeira. A M. e o J. adoraram, a J. deixou-se ficar sossegada no seu ovo até adormecer sozinha, depois de ter puxado a fralda de pano até tapar a cara, como ela gosta (um doce...).