terça-feira, 25 de abril de 2017

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Momento



Ver o Jardim da Esperança numa sala só para nós. A beleza e pureza dos animais. A fealdade e maldade dos homens. Um nó na garganta. Nunca vou conseguir compreender como é que alguém pode tratar assim outro ser humano.

Concentrar(-me) (VII)



"Charms"
Abel Korzeniowski
(W. / E. OST)

domingo, 9 de abril de 2017

O melhor do fim de semana (XXI)




O mar nos olhos e a areia nos pés, o sol quente na pele e o abraço da minha Paula. Ver-te vencer a timidez e ganhares coragem para convidar outro menino para brincar contigo. Um piquenique à sombra das árvores e agradecer a sorte de termos um parque tão bonito tão perto. Andar de carrinhos de choque e ver-te saltar tão alto, num misto de excitação e terror. Saber que estás a descobrir o friozinho na barriga das coisas que assustam e fascinam ao mesmo tempo. Jantarmos bifanas e churros porque um dia não são dias. E amparar o teu sono no meu colo, na certeza de que és feliz.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Encantar(-me) (II)



Celine Dion 
"How does a moment Last Forever"
(Beauty and the Beast OST)

(Lindo, lindo, lindo...)

terça-feira, 4 de abril de 2017

Sempre tu


O nosso tempo


Posso passar o dia a mil, mas a partir do momento em que te vou buscar ao ATL e corres para os meus braços, quase sempre com um desenho na mão para me dar, o meu ritmo muda para se adaptar ao teu. Andamos devagar pela rua, de mão dada, paramos a cada três passos para apanhares uma flor ou veres os cactos, dizes que sou gordinha e fofinha na mesma frase para não doer tanto, dás saltinhos de alegria e páras para dançar todo desengonçado quando ouves música. Aproveitamos os últimos raios de sol no parque, ou gastamos as últimas energias a jogar à bola no shopping (as minhas, porque as tuas parecem ilimitadas, até caíres no sofá e adormeceres em menos de cinco minutos). A partir daquela hora sou tua e o meu tempo pertence-te. Mesmo que te diga a brincar que me gastas o nome de tantas vezes chamares "mãe, mãe, mãe", mesmo que revire os olhos quando começas a fazer birras  de sono ou de fome, sei que acabaremos os dois abraçados no sofá, tu a pedires mimo e eu a encher o coração com a tua ternura e a alma com a gratidão de te ter.