domingo, 2 de dezembro de 2018

Voar



A sensação é sempre a mesma. Levantar voo, ver os prédios, as estradas, os carros, a ficarem cada vez mais pequenos, e relativizar o tamanho que pensamos que temos quando o vemos assim, em comparação com o céu infinito. Saber que vou aterrar noutro país, noutra cultura, ouvir outra língua e ver mundo, o mundo para lá do que conheço, que me enriquece e abre os horizontes, me torna mais forte e tolerante. Agradecer sempre cada oportunidade que tenho de voar e de me encher deste mundo tão grande, para lá das nuvens.

Mais do que borboletas na barriga (V)




Passar dos 30º do Dubai para os 6º negativos de Varsóvia de repente, vai ser quase esquizofrénico...