domingo, 31 de julho de 2011

O melhor do fim de semana (XVI)

Vitoroskas, mojitos e limoncellos. O C. a dizer que as minhas quiches estavam boas (Hossana nas alturas!!!). As conversas alegres à mesa. As figurinhas tristes em frente à consola.



Um dia passado a fotografar. As conversas no carro. A companhia no barco. A promessa de repetir o convívio. O segundo nível do curso marcado. A perspectiva de novas experiências. De expormos os nossos trabalhos. De aprender mais e mais.









(Isto é o interior de um pombal, onde faziam criação de pombos para servirem de alimento aos falcões... as coisas que uma pessoa aprende a seguir ao almoço...)




















(As fotos de interior são dele).





E jantar com a mãe. Misturar gelado com tarte de maçã. Fâze-la rir até à lágrimas. Não me canso de a ver feliz.

(Não me canso de ser feliz nas pequenas coisas).

sexta-feira, 29 de julho de 2011

Incentivar (II)

Roupa de ginástica (tudo tamanho S...), vernizes de cores gulosas e uma mala que ficou a implorar por mim à hora do almoço (a A. bem me disse "leva-a, vais ficar a remoer o resto da tarde..."), e que fui buscar antes do jantar com a R. e o V. [pratinhos que andam à roda são sempre bom pretexto para conversas desbragadas de ganzas e parques de diversões (e a Isla Mágica ficou prometida...)] e do cinema (Super8, todo ele Steven Spielberg, dos efeitos especiais - a explosão do comboio é soberba - à banda sonora grandiosa. Não é um filme que vá para a minha lista dos "A repetir", mas é impossível ficar indiferente a esta mistura de referências do imaginário de Spielberg).
À mesa do jantar estava a dizer que adoro a sensação de entrar num avião e saber que vou aterrar num sítio completamente diferente, e que vou conhecer e aprender algo novo que  vai contribuir para me tornar mais tolerante e humilde. Porque acredito que é isso que as viagens fazem. Abrem a mente e o coração. Mas o que não disse é que também adoro o regresso, o retorno às rotinas familiares, aos lugares que conheço de cor, ao riso dos amigos em conversas que descambam quase sempre (ele tem um dom especial para "estragar" todo e qualquer assunto, uma coisa inata, tipo "it's an animal thing"...).
[E ao cheiro da pele que me envolve e me faz acreditar que cada regresso nos torna (ainda) mais fortes].



Ouvir e sentir (CLV)

Porque a semana passou a correr. A matar saudades. A pôr o trabalho em dia. A rir muito. A conspirar outro tanto.

Eliza Doolittle
"Skinny Genes"


quinta-feira, 28 de julho de 2011

segunda-feira, 25 de julho de 2011

Momento (CLXVIII)

Rodar a chave na porta. Inspirar o cheiro familiar.
Ver a cara de surpreendido porque só me esperava à hora do almoço.
O sorriso aberto. O abraço há dias ansiado.
Estou em casa.

domingo, 24 de julho de 2011

Resumindo (III)

Estou aqui a tentar pôr as ideias em ordem para escrever sobre esta experiência, mas está difícil… 
Luanda é uma cidade em pleno desenvolvimento, e daqui a 5 anos estará irreconhecível (e parecida com uma qualquer cidade europeia…), fumei muito menos do que estava à espera (comprei 8 maços de tabaco no aeroporto, volto com 3 e meio cheios…), e comi melhor do que estava à espera (mas caro, tão caro…).
As angolanas (e pelo que me contaram, os angolanos também) são vaidosas, mas vaidosas de passarem um quarto de hora em frente ao espelho (a arranjarem o cabelo, a retocarem a maquilhagem, a virarem-se para um lado e para o outro para verem se o vestido ultra colante que trazem está devidamente puxado para cima para mostrar bem as pernas) de cada vez que vão à casa de banho (devo dizer, foram das casas de banho de feiras mais limpas que alguma vez vi). É fantástico ver o à-vontade que têm com o seu corpo, podem ser bem torneadas ou ter um rabo do tamanho de um comboio, mas todas elas saem para jantar ou para a night com um vestido de lycra (só muda a cor, varia muito entre o cor de rosa berrante, o vermelho e o branco), orgulhosas de mostrar as suas curvas. E só elas ficam lindíssimas com um vestido branco minúsculo (realmente, com aquele tom de pele não se notam estrias, varizes, celulite, nada, é uma maravilha…).
Viajar com uma pessoa que está a fazer dieta (e todo contente porque baixou dos 110 kilos) é excelente para perder peso, acho que comi mais maçãs e sopa aqui do que desde o início do ano. Mas sozinha (e “branquinha, loirinha e cheirosinha”, como me disse a S.”) não me safava, e era enganada constantemente nos preços - enquanto o “boss” comprava as maçãs a 100 kuanzas, a mim pediam-me 300 (cada uma)…
Conhecemos alguns portugueses que moram cá, e nos contaram histórias mirabolantes (e outras menos engraçadas, como a mãe que viu a filha adolescente - os angolanos têm um carinho e respeito imenso pelas crianças, pelos idosos e pelos deficientes, e não lhes fazem nenhum mal -  com uma arma apontada ao peito, o assaltante queria um telemóvel, a mãe deu-lhe os 4 telemóveis que tinha com ela e a carteira com todo o dinheiro e documentos, e o assaltante devolveu 3 dos telemóveis e a carteira…) que me convenceram que dificilmente viveria aqui. Tinha de fazer um rebut ao meu cérebro com uma formatação completa do disco rígido, e começar a tomar Xanax todos s dias para aguentar a cultura de “deixa andar” reinante. Aqui as acções e decisões são movidas a dólares. Ou se entra no esquema, ou nem vale a pena pôr cá os pés. E também não é um destino de férias a considerar. Mas se tiver de voltar a trabalho (é o mais certo…), não será nenhum sacrifício.

Esclarecer (II)

Sempre que faço uma viagem destas tenho de ouvir pelo menos uma pessoa a dizer-me: “ah e tal, vais de férias…”. Não é bem assim. Desta vez muito menos. Sentir-me enclausurada num hotel sem poder (poder até podia, mas não me atrevi) sair à rua sozinha não é bem o meu conceito de férias. Vi (um pouco de) Luanda pela janela do transfer, e a rua do hotel porque o restaurante onde fomos jantar a maior parte dos dias era na esquina ao fundo. Só.
Duas idas à Ilha para jantar com clientes foi o único desvio cometido nestes dias que me pareceram todos iguais, e cada vez mais difíceis de passar à medida que o cansaço se ía acumulando (ontem, sábado à noite, entrei no meu quarto às onze e meia e fiquei a ouvir a música lá em baixo, o kizomba que sai de cada porta… até adormecer esgotada e embalada pela almofada macia – porque é que as almofadas de hotel são sempre tão boas?... tenho de arranjar umas destas lá para casa…).
Fazer feiras é muito giro e permite conhecer imensas pessoas, mas também é estupidamente cansativo. E só quem nunca passou nove horas seguidas dentro de um stand é que pode afirmar o contrário.

sábado, 23 de julho de 2011

O passar dos dias

Isto tudo em mails trocados com ele e com amigos:

Eu: 
Olá!!! Tenho net no quarto :P
Está tudo bem, consegui dormir 3 horas no avião, o voo foi muito calminho, mas passar aquele tempo todo sentada é horrível. Já fomos montar o stand e amanhã acabamos.
O hotel é no centro da cidade, o trânsito é caótico (e hoje é domingo, já me disseram que não é nada comparado com amanhã), e para irmos para a feira temos de passar pelo musseque, que é tipo bairro de lata. A estrada ali nem é alcatroada, e tem esgotos a céu aberto. Mas as pessoas andam por lá na boa, é a vida delas, e as crianças brincam felizes. É mesmo verdade, vi muita pobreza, mas não vi fome.
Ainda não sei se gosto disto, mas acho que não. Conta como experiência.
E tu, como estás? Como correu a canoagem? Gostaste? Vá, escreve-me um texto grande a contar tudo :)

Ele:

acho que Africa tem sempre qq coisa de especial... a canoagem correu bem, nao tava tanto frio como pensei q ia estar, nao havia lua nem estrelas e para o fim até caiu uma chuva miudinha :)... cheguei a casa por volta da 1 da manha e no domingo quando acordei, mal me mexia mas... faz parte, no fim tivemos direito a uns comes e bebes muito bem organizados (à moda da Lina, sempre com muito bom gosto) à luz daquelas tochas de jardim.. caldo verde, salgados, café o bolinhos.. uma ganda pinta.. tenho de participar em mais coisas destas, ela disse que tb organizam para grupos, eu gostava de fazer aquela cena das grutas, é uma questão de perguntar o preço para um grupinho de +/- 10 pessoas. liguei à orora quando sai do hospital e ela pareceu-me muito bem, disse que tinha recebido uma msg tua e perguntou se eu gostava de sopa com um monte coisas que ja n me lembro, eu disse que sim e ela diz que traz amanha.. fixe.. de resto ta tudo tranquilo, demoro um pouco mais de tempo a adormecer e tive de puxar a capa do edredom para cima.. agora vou fazer qq coisa para o meu jantar, talvez bacalhau que comprei ontem... :)

.... foda-se... carreguei no enter para mudar de linha e esta merda foi.. mas pronto... sao 19h horas, vou começar a tratar da cena para jantar mais ou menos cedo... bjos... e boa africa... :P

Eu:
Ainda bem que gostaste, agora é continuar, e para a próxima também quero ir :) O resto do pessoal também curtiu? E a cena das grutas (espeleologia :P) também me parece muito bem, já pediste à Lina para ME avisar quando houver a próxima?
 Já montei o stand e a feira começa amanhã. Estamos muito bem localizados, mas é numa tenda e se estiver sol aquilo é um forno que não se aguenta. A sorte é que tem estado nublado e não está calor, aliás, as noites estão frias, eu devia ter trazido mais um casaco, a sério :(
O hotel é muito bom, o meu quarto é no 9º andar e tenho uma janela que ocupa uma parede toda, com vista para a cidade :) (já tirei fotos :))
Diz à orora que ainda não me deu nenhuma diarreia nem fui picada por nenhum mosquito, o que já não é nada mau :)) E estou a tomar o malarone religiosamente.
E diz à orora que lhe mando um beijo enorme.
 E um beijo na testa para ti, sabes que quando vejo tudo isto, lembro-me de ti e gostava que estivesses ao meu lado, para partilhares isto tudo comigo, o bom e o menos bom, mas que me dá uma visão do mundo muito mais alargada (e "A felicidade só é real quando é partilhada").
 Amo-te, ainda e sempre

Eu:
Olá linda!!! Tá tudo bem? A pikena?
Eu fiz boa viagem, já montei o stand e a feira começa amanhã.
Aqui não há sol e as noites estão frias, a cidade é um caos e está toda em obras, vê-se muita pobreza, mas não se vê fome e as crianças têm sempre um sorriso na cara :)
 Um beijo enorme para vocês


S.:
Ola Madinha ;) a pikena ta boa! eu gostava de ir a angola... justamente para ver o caos... as criancas! enfim ver como é realmente a vida ai! bem tu brankuinha xeirosa loirinha linda uuiii o pessoal ate fika doido!!! ahahah... vai dando noticias linda!!! bjoka grand para ti tb ;) *

C.:
Olá miuda, como estás? E essas aventuras por terras africanas? Tenho lido o teu blog, e parece-me q está a ser uma experiência e tantas.
Vais ver que sentir a verdadeira "África" não é assim tão mau, como esperavas. Tem muita coisa boa, pelo menos faz-nos questionar e crescer.
 beijinhos e vai dando noticias

P.S. Fiquei feliz por saber que convenceste o teu moço a ir até à bela cidade de Amesterdão:) 

Eu:
Olá, está tudo bem? :)
As aventuras não têm sido muitas, só passamos pelo musseque no caminho para a feira, e confesso que não me consigo habituar a ver aquelas ruas imundas e cheias de lixo, os produtos alimentares vendidos à beira da estrada sem nenhum cuidado, os polícias de metralhadora em punho (à noite temos um à porta do hotel, é assustador...).
Não consigo dizer se gosto ou não gosto disto, a sério.
De resto está tudo bem, o voo foi um sossego, ainda consegui dormir 3 horas (nada mau...) mas fiquei com uma dor de pescoço que ainda não passou, devo ter dado um jeito qualquer, agora não consigo virar a cabeça :) E a feira começa oficialmente amanhã, hoje finalizámos o stand e viémos para o hotel descansar :))

Sim, consegui convercer o L., mas só com a promessa que íamos todos os dias a uma coffe shop, claro ;))
Eu acho que ele vai adorar a cidade, pode ser que lhe desperte o bichinho de viajar, ir pelo menos uma vez por ano a um sítio onde nunca tenha ido :)
(...)
Um beijo grande



Ele:
cheguei agora a casa... roupinha passada, cama feita e sopa de n sei bem o que no frigorífico... espetaculo... hoje vou jantar cedo outra vez, como tenho umas cenas para fazer la no servidor, vou la mais daqui a pouco, por volta das 23h, o F. diz que quer ir também e que passa por aqui por volta das 23.15.. amanha dou um saltinho lá à órora, tiro as fotos do blog para o portatil e levo para lhe mostar... depois ela vai dizer "áááááááááá.... olha ali tota... olha ali...".... foooooooda-se... enfim... é mm assim... vá... vou.me assofar um bocado ate ir jantar sopa da órora.. e acho que so vou comer sopa, não fico tão cheio e "mal disposto", por volta das 23 e qq coisa como mais alguma coisa e ta tudo bem.. vá... bjos...e boa África

Eu:
Li a tua mensagem, mas não consigo aceder ao FB para responder, a net é free mas é lenta :P
Por aqui é assim: sol, nem vê-lo, está sempre nublado, a cidade está toda em obras, mas toda mesmo, andam a fazer os passeios, o trânsito é um pavor, há poucos semáforos e os que há não funcionam, é mesmo salve-se quem puder!!! A feira começa às duas da tarde e acaba às nove da noite, mas às 6 da manhã acordo com o barulho das buzinas (e estou no 9º andar!!!)
Passámos o primeiro dia à procura do nosso stand (isto parece anedota mas não é, ninguém nos sabia dizer onde estava), o segundo dia a montá-lo, e hoje foi a inauguração oficial, devia ter começado às 2, começou eram 4 e meia da tarde... é tudo assim, não há pressa para nada, até mete nervos!!
Depois fomos jantar com uns conhecidos do Eng., com quem ele tem negócios cá (...) tudo malta entre os 40 e os 50 anos, mas todos muito porreiros, a contar histórias mirabolantes (tipo ir dar Viagra a um dos anciãos de uma aldeia a não sei quantos kilómetros daqui, e por aí fora...)
Cheguei agora ao quarto, na feira não tenho net (isso já era pedir muito) e a Zon Fon não me serve de muito aqui. Mas de resto está tudo bem, tenho mais fotos para postar, mas tenho sono e vou dormir :)
Manda um beijo grande à orora, sim?
Tenho saudades do teu abraço


Ele:
Olá.. entretanto já fui mostrar a fotos à órora, ela pensava que era no telemóvel, quando me viu entrar com o computador fez “ááááááááááááááááááááá….”.. viu todas as fotografias com atenção, principalmente a dos pés, à procura de borbulhas e vermelhões, mas eu acalmei-a e disse que tu tinhas dito que tava tudo bem no que dizia respeito a picadas e doenças estranhas. Por cá tem estado um tempo estranho, um vento desgraçado e um calor parvo, tudo ao mesmo tempo, não há paciência. Ensinei a órora a colocar as virgulas e os pontos finais nas msgs do telemóvel, acho que apanhou o jeito da coisa… e pronto, mais nada de especial, tenho de ir comprar pastilhas para a máquina da loiça, hoje vai funcionar e só tava uma pastilha no saco (acho q tu escondeste as outras de propósito mas… tudo bem), amanha é dia de ir tratar dos gatos do V., e na segunda-feira feira tb.
Bem, vou então fazer aqui uma beca de zapping…
Vá… bjos…

Eu:
Bom dia!!
Já tenho net outra vez :)
Eu não escondi as pastilhas da máquina!! (mas já fiquei a rir com a ideia, para a próxima escondo-te o detergente da roupa :P)
Então o tê F. viu o meu email, foi? E disse "ó chefe, tá aqui uma coisa que deve ser pra si..."? :))
Esta noite, pela primeira vez, não ouvi as buzinas, estava tão cansada ontem que adormeci como uma pedra... também na noite anterior tinha tido uma daquelas insónias...
Acho que hoje à noite os expositores estão a combinar ir jantar à Ilha, é tipo Cascais aqui da zona, com os melhores restaurantes e bares. Eu devo ser a mais novinha do grupo, os outros são todos de 40 para cima, até a senhora da agência de viagens que nos acompanha tem 60 anos, mas um andamento brutal, está sempre a controlar se está tudo bem connosco e a dar ordens aos pretos (desculpa, mas é mesmo assim que ela diz, e não é por mal, mas ela já trabalha cá há séculos e sabe como isto funciona...)
Diz à Orora que eu estou mesmo bem, a sério, ainda não tive nenhum problema, isto também não é a selva, credo...

Em Luanda (IV)









sexta-feira, 22 de julho de 2011

Sentir saudades (II)...

... de um abraço...

Adele
"Set fire to the rain" (ao vivo)



(em repeat há duas horas...)

terça-feira, 19 de julho de 2011

Em Luanda (III)





(a última é a vista do meu quarto...)

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Cicatrizes

"Olhe menina, está a ver ali aquela praça? (Onde vão construir um mega centro comercial) Debaixo daquela terra estão milhares enterrados... E ali naquela fonte, passei eu 22 horas deitado, com medo de me mexer, com as balas a passar-me por cima da cabeça..."

domingo, 17 de julho de 2011

Quase que me engana...

Vista à noite, toda iluminada, da esplanada do Cais de 4 onde jantámos (perto dos aquecedores, porque estava FRIO!!! - ele gozou comigo por ter juntado à bagagem um casaco de malha fina "porque pode estar fresco à noite, não te esqueças que lá, agora é a época da cacimba"... maldita a hora em que não atirei para dentro da mala mais um casaco e uma ou duas echárpes...), Luanda parece uma cidade bonita.

Em Luanda (II)








(sim, aquilo ali parece-me uma metralhadora...e não é das de airsoft...).